A Segurança do Temor


por Mike Yaconelli (Traduzido por Ildo Mello)


A tragédia da fé moderna é que já não somos capazes de sentirmos temor. Não tememos a Deus, não tememos a Jesus, não tememos o Espírito Santo. Como resultado disto temos um evangelho centrado em nossas próprias necessidades, o que atrai a milhares, mas não transforma a ninguém.

O que aconteceu com o temor que nos dava calafrio, que movia o chão, que nos dava dor de estômago, que nos fazia bater os joelhos, que nos parava o coração e que impactava as nossas vidas ao ponto de ficarmos sem palavras? O que aconteceu com aqueles momentos em que abríamos as nossas Bíblias e as nossas mãos começavam a tremer porque tínhamos temor da Verdade que poderíamos encontrar ali? Qual foi a última vez que você e eu escutamos a Verdade e fomos agarrados pela garganta?
Infelizmente, alguns de nós que recebemos a incumbência de transmitir a poderosa Boa Nova nos tornamos obcecados em criar um cristianismo seguro. Domamos o Leão para tornar o cristianismo algo muito sensível, muito aceitável e muito agradável.

Quem ainda teme a Deus? Tememos a falta de emprego, tememos a violência urbana, tememos a gripe suína, tememos a AIDS, mas não tememos mais a Deus.
Sugiro que a igreja volte a ser um lugar de temor, ou seja, um lugar onde Deus precise nos dizer: "Não temas"! Um lugar onde nossa relação com Deus não seja uma mera crença sentimental ou uma doutrina ou uma teologia, mas sim que seja a ardente presença de Deus em nossas vidas. Estou sugerindo que o Deus domesticado seja substituído pelo Deus vivo e verdadeiro cuja presença derrube nossos egos até o pó e que queime os nossos pecados até às cinzas e nos desnude revelando nosso real ser interior. A igreja deve chegar a ser um lugar glorioso e ao mesmo tempo perigoso, onde nada esteja seguro, incluindo nossos planos, nossos horários, nossas prioridades, nossas políticas, nosso dinheiro, nossa segurança, nossa comodidade, nossas posses e nossas necessidades.

Os discípulos do caminho de Emaús sabiam que haviam estado com Jesus porque seus corações ardiam por dentro. A impotência da Igreja de Deus, a debilidade dos seguidores de Cristo e a irrelevancia da maioria das organizações eclesiásticas estão relacionadas diretamente com a falta da real consciência de estarem na presença de um Deus maravilhoso, santo e que continuamente exige que estejamos aliançados somente com Ele, amando-o sobre todas as coisas.

Cremos em um Deus que deseja tudo de nós - cada pedacinho da gente - e que nos deseja todo o tempo. Deseja nossa adoração, nosso amor, mas acima de tudo, ele quer que nós confiemos nele. Devemos admirá-lo mais que tudo! Nosso Deus é perfeitamente capaz de acalmar uma tempestade ou colocar-nos no meio dela. De um modo ou de outro, porque ele é Deus, estaremos assombrados, estupefatos e tremendo.

O mundo está cansado de gente cujo Deus é um Deus domesticado. O mundo anela ver gente cujo Deus é grande e santo e temível e gentil e terno... e nosso; un Deus cuja magnitude e amor nos assuste e nos cative a ponto de nos levar a correr em direção aos seus braços fortes e poderosos onde ele deseja sussurrar-nos essas temíveis palavras: "te amo"!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os Dois Fundamentos - Mateus 7:24-27

Sermão 08/03/2015 - TEMA: A Vitória da Cruz!

Mensagem da Semana - Moisés, Arão, Hur e Josué