Palavra Pastoral - A igreja que avançava em oração


                                                      A igreja que avançava através da oração
Marcos 1:35; Atos 4:23-31

Amados irmãos creio que uma das disciplinas mais negligenciadas de nossos tempos é a oração, pois, somos uma sociedade imediatista, do “fast-food”, do microondas, do e-commerce, do “sem-parar” das rodovias. Somos uma sociedade pragmática, que está mais preocupada com o que funciona e dá certo do que perguntar se é certo e é correto. Somos uma sociedade do barulho que não suporta a ideia de solidão positiva e silêncio. Ora, se somos imediatistas, pragmáticos e no, fundo, não suportamos o ensurdecedor silêncio, provavelmente não sabemos o que é apreciar longos e necessários momentos de oração.

Ligação de urgência; Ligação de amizade
Vemos diversos relatos de pessoas na Bíblia que clamavam a Deus por socorro e apelo diante de almas angustiadas e situações que fogem do controle. Mas, também vemos pessoas que gozavam da amizade de Deus, de uma intimidade profunda, onde Deus vinha ao encontro delas antes mesmo de orarem. A oração tem propósitos e momentos diversificados, mas aquele que está no caminho de santidade e intimidade com Deus, faz dela uma sintonia de amizade com Deus, e o meio pelo qual se submeterá ao Espírito Santo para tomada de decisões. Uma vez que aceitamos o seu convite de estar com Ele, Ele também estará conosco.

Jesus orou
Jesus, Deus o Filho, Deus encarnado orou. Veja que ele se preocupava em orar alta madrugada, quando todos estavam dormindo no ABSOLUTO SILÊNCIO e SEM AGITAÇÕES.
Jesus se retira para um lugar deserto, para gozar de uma solidão que o conduziria ao Pai, livre de momentânea INTERRUPÇÃO. Jesus ora! A oração como prática diária, mantém nossos ouvidos limpos para ouvir a doce e suave voz de Deus.
Entretanto, tenho aprendido que SILÊNCIO, AGITAÇÕES E INTERRUPÇÕES têm muito a ver com o estado da nossa alma. Mesmo as sós com Deus, nossa alma pode estar AGITADA e sofrendo INTERRUPÇÕES. Isto demonstra o quão distantes podemos estar da prática da oração.

Quais as evidências de uma igreja que avança em oração? Atos 4:23-24
1.       Ela não se deixa intimidar pelas adversidades (v. 23-24)
Pedro e João, após soltos da prisão, ameaçados pelos homens do Sinédrio para que não anunciassem sobre Jesus, procuraram a igreja e relatou esse fato ao povo de Deus. A igreja enfrentava perseguição. Irmãos, a Igreja é de Deus! Nós somos de Deus. Se estamos diante de adversidades que fogem ao nosso controle, temos um Deus que nos ouve em oração. A igreja se UNIU (...unânimes...) em oração reconhecendo a soberania de Deus sobre tudo e todos (...tu soberano Senhor) e orou confiante na Palavra (...disseste por intermédio do Espírito Santo). Em unidade, descansando na soberania de Deus e confiantes na Sua Palavra não nos intimidaremos. “Uma igreja que se dobra diante de Deus em oração, não se curva diante das adversidades”

2.       Entrega as adversidades ao Senhor para não paralisar (v. 29)
Enquanto olharmos para as adversidades e dificuldades, possivelmente paralisaremos. Veremos apenas os obstáculos, as ameaças e ficaremos com medo, com angústia e perceberemos cada vez mais nossa limitação humana. Se personificássemos a ameaça transformando-a numa pessoa, ao olharmos para ela ficaríamos intimidados com certeza. Paralisaríamos. A ameaça, a luta, a provação é um bicho muito feio e intimidador. Agora, a igreja não olha para a adversidade. Ela pede que Deus olhe para adversidade. Esse bicho muito feio é quem receberá o olhar poderoso de Deus. Assim sendo, entregando a Deus a provação, devemos pedir a Ele interpridez (ousadia). Já diziam que a melhor defesa é o ataque. A igreja avança entregando a adversidade ao olhar de Deus e pedindo ousadia para avançar.
 
3.       É cheia do Espírito Santo (v. 31)
A igreja que avança é uma igreja cheia de Deus. É relatado que aquele lugar onde estava tremeu. Todos ficaram cheios do Espírito Santo e receberam o que pediram, ousadia. “Para fazer frente a uma geração ávida pelo pecado, somente uma igreja ávida pela oração”. Leonard Ravenhill

CONCLUSÃO
Vamos resgatar a disciplina da oração. Vamos na contramão dessa cultura imediatista, pragmática e agitada. Submetamo-nos à Soberania de Deus e nos curvemos diante Dele em oração. Quando andamos de joelhos não tropeçamos. Sejamos unânimes na oração, descansados na soberania de Deus e confiantes na Sua Palavra. Entreguemos a Ele nossas adversidades pedindo-lhe ousadia e então Ele nos encherá com seu Espírito.
No amor de Cristo,
Rodrigo, Pr.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os Dois Fundamentos - Mateus 7:24-27

Sermão 08/03/2015 - TEMA: A Vitória da Cruz!

Mensagem da Semana - Moisés, Arão, Hur e Josué